23.12.14

A vida que antecede o Natal



Têm sido desafiantes as últimas semanas. A Clara tem andado queixosa e até chegou a ter febre. Só o colo da mãe ou do pai a satisfaz. As noites mal dormidas têm sido constantes e os dias de sonolencia rabugenta o pão nosso de cada dia. Os dentes teimam em marcar presença sem mesmo ainda terem rompido. Falta-lhe alguns ainda, os suficientes para saber que ainda muito me espera, a mim e a ela, coitada da nossa budinha.
Com o Natal à porta e o novo ano a caminho, muito há a organizar e preparar. O inicio de um novo ano é sempre para mim o fechar de um ciclo e o começo de outro. Faço uma retrospectiva, renovo esperanças e tento motivar-me para novos projectos e para os que transporto de um ano para o outro.

A mente tem andado assim ocupada, o corpo tem andado exausto e a vida numa roda viva de emoções, decisões e acções. Tenho saudades de muita coisa que vai ficando por fazer mas reavivei outras pequenas coisas que me tinha esquecido já de viver.
Hoje não podia deixar de vir aqui, apesar da falta de tempo e da dificuldade em concentrar-me pelo cansaço, este é um espaço que acarinho e que não podia deixar esquecido nesta época das coisas amadas.
Amanhã é véspera de Natal. Já está a chegar. É já amanhã a noite mais calorosa do ano. Por aqui tudo está organizado para o receber, mesmo com constipações e indisposições à mistura, lá conseguimos evitar as compras de véspera.
Vai ser uma ceia calma a dois, depois de deitar as pequenas que são demasiado pequenas para grandes noitadas. Terão de esperar que o pai Natal encontre o caminho e deixe as prendinhas para abrirem na manhã do dia 25.
A dois brindaremos à familia que construimos e ao lar que arduamente tentamos manter quente e cheio de amor. Provávelmente trocaremos palavras escritas e verbais. Provávelmente falaremos dos planos que queremos manter e dos novos objectivos a conquistar. Estaremos cansados e por isso nem mesmo nós esperaremos pelo pai Natal. Ele saberá com certeza o caminho. 
Antes de deitar deixaremos os mimos delas debaixo da árvore. Sabemos que será uma manhã agitada antes de sairmos para casa dos amigos para festejar o dia de Natal. Este ano vai ser mais perto. Temos novos vizinhos, mais do que vizinhos são amigos, são familia. Por isso vai ser um dia de Natal de abraços e sorrisos. Elas vão divertir-se à grande e quando voltarem a casa vão querer brincar com tudo o que nessa manhã encontraram debaixo da árvore.
E assim passará o Natal, depressa. Tão desejado que é sempre, tantas festas e comesainas, tantos presentes pensados e comprados, a casa que foi decorada a rigor, as mesas compostas e os amigos que nos enchem de postais e palavras simpáticas. E tudo acabará depressa.
Ficamos apenas a aguardar a chegada de um novo ano e a fazer as devidas avaliações do que está no fim. E nessa altura, mais ou menos cansada, constipada ou indisposta, eu virei de novo aqui. Registar sonhos, analisar o passado e motivar-me para o futuro que tem de ser sempre, sempre, sempre, melhor.

Hoje é apenas dia de desejar um F E L I Z    N A T A L! E se esqueceram os sonhos, o bolo rei ou as rabanadas, não se esqueçam nunca que a perfeição não existe e por isso passarão bem sem eles. Sintam apenas a magia! Até breve...

1 comentário: