25.3.17

+ eu [sete anos perdida]


Não sei muito bem como hei de escrever este post sem parecer lamechas nem uma chata pedinchice. A verdade é que desde que mudei de país que andei um bocado perdida a nível profissional. Algo em mim apelava para um novo recomeço, uma mudança de carreira, um fechar de uma porta que já tinha as dobradiças cansadas e a fechadura encravada. Tudo começou em 2009, a insatisfação profissional e a mudança de país. Quase 2 anos depois, e a maternidade passou a manter-me distraída, distração que durou cerca de 3 anos. Não obstante, tentei manter sempre uma ligação com um qualquer mundo do trabalho, ora por conta própria, ora por conta de outrem, ocupações que me serviam mais de terapia do que de realização profissional. A maternidade pode ser um desafio, uma guerra de nervos e/ou um desvio psicológico, em especial quando se está habituado a fazer muito, quando se tem diversos objectivos na vida e uma cabeça cheia de sonhos e ideias.

Nos últimos dois anos comecei a tentar perceber o que era realmente importante para mim. O que eu gostava mesmo de fazer. Foi mais uma investigação cheia de surpresas. Embora gostasse de determinada coisa, embora conseguisse idealizar um dia da minha vida a fazê-la a nível profissional, havia sempre algo errado, algo que ficava a faltar, algo que não se adaptava à minha vida pessoal, ao tempo que eu queria dedicar à minha família e à flexibilidade que queria manter para apoiar o crescimento das minhas filhas. Por incrível que possa parecer só há poucos meses, depois de quase cinco anos perdida entre a maternidade, as reflexões pessoais e as experiências profissionais, descobri que a única coisa que eu me vejo a fazer, que se adapta à minha vida pessoal e me faz feliz, é escrever. E é isso que tenho andado a fazer, e mesmo quando meto as mãos na massa e faço peças como esta, esta ou esta, a verdade é que todas partem da escrita e são apenas a materialização dela.


Este tem sido o meu percurso nos últimos anos, depois de uma mudança pessoal ter dado origem a uma rotura profissional. Nunca senti que o mundo tivesse acabado, nunca senti que não havia outro caminho para mim ou que teria de ficar preza a algo que não gosto ou com o qual já não me identifico só porque sim, senti-me muitas vezes perdida, isso sim, sem saber por onde ir, fazendo e desfazendo, com imensas dúvidas e incertezas mas em momento algum pensei em desistir de encontrar o que gosto e quero fazer o resto da minha vida.

Desta vez resolvi arriscar, tenho consciência que noutra altura talvez não o fizesse mas, a verdade é que, não tenho nada a perder. A minha loja etsy, [im]perfect store, está então a concurso no #differencemakesus, são £8000 para a loja com mais votos. Para uma loja tão recente como a minha será um verdadeiro milagre conseguir votos suficientes para vencer este passatempo mas eu acredito em milagres. Acredito no vosso apoio e ajuda, e acredito nos meus sonhos.

Se me quiserem ajudar a ganhar basta seguirem o link abaixo e votarem na minha loja:

https://etsy.wishpond.com/small-business-contest-intl/entries/149089665

Nota: o prémio (no caso de ser a vencedora) será totalmente investido na minha realização profissional. Na construção da minha nova carreira e, consequentemente, na realização de mais este sonho. Obrigada! ♥

1 comentário: