27.10.16

vantagens de ter filhos com até 2 anos de intervalo

english version soon
Ter dois filhos  que não são gémeos mas também não têm uma diferença de idade que nos permita dizer que o mais velho já se vai desenrascando sozinho é um desafio, não dá para negar. Ter filhos gémeos já não será fácil e não consigo identificar o que é pior se é ter filhos gémeos ou com uma pequena diferença de idade. Da minha perspetiva, os gémeos, a nível prático, acabam por se tornar mais fáceis de gerir. Quando um quer comer, querem os dois, quando mudamos a fralda mudamos a dos dois, etc... Não deixa de ser desafiador tentar mudar ao mesmo tempo as fraldas a duas criaturas pequenas mas a nível da comida o processo torna-se mais simples. A mesma comida serve aos dois.
No caso de dois bebés com diferença de idades, as necessidades raramente são as mesmas mas muitas vezes ambos precisam de algo e normalmente escolhem o mesmo minuto da mesma hora para se queixarem da vida. Um chora de dentes o outro de cólicas, um quer mamar, o outro quer trincar, um quer dormir o outro quer brincar, etc... Por outro lado, a nível financeiro, ter um filho atrás do outro é menos dispendioso do que ter gémeos, tudo é reaproveitado e não é preciso estar a comprar tudo em duplicado. Azar dos azares é quando um ainda é pequeno e calha virem gémeos, aí será um "Deus nos acuda".


Quando a L. fez um ano, decidimos começar a trabalhar para o segundo filho. Cerca de 3 meses depois de começar, engravidei, pelo que as manas têm a diferença de idade de um ano e 355 dias. Decidimos assim porque queríamos que a L. tivesse um irmão ou irmã com menos de 2 anos de diferença para que não houvesse um grande intervalo nas preferências, gostos e relacionamentos de ambos, para nós essa já conta como uma vantagem. Intervalos de mais de 2 anos são lacunas para a vida inteira, eu tenho diferença de 4 anos do meu irmão e embora essa diferença atenue com a fase adulta, psicologicamente ela permanece. Além deste motivo, que já era bastante válido, tínhamos a questão da nossa própria idade. Pai e Mãe a caminho dos 40 não havia muito a pensar, queríamos ainda ter energia para acompanhar o crescimento das nossas crianças. 

Assim decidido, não fazíamos ideia nenhuma do que nos esperava, sozinhos no estrangeiro, sem grandes ajudas por perto. Hoje, a L. quase nos 5 e a C. quase nos 3, ainda acho que a gap entre elas podia ser ligeiramente menor. E, de mais de 3 anos de dupla parentalidade (se contarmos com a gravidez) entendemos que esta decisão, embora com um caminho difícil, teve, de facto, algumas vantagens.


  • A passagem de roupas de uma para a outra. A roupa mantém-se perfeitamente atual sem parecer que foi tirada do baú das recordações.
  • A memória ainda fresca. Ainda nos lembramos bem das noites em claro, das melhores posições para atenuar as cólicas, das artimanhas para os pôr a dormir, dos mil e um sintomas dos dentes... Portanto não partimos de uma ilusão, sabemos bem o que nos espera e ao contrário do primeiro, estamos muito mais preparados para o que vem e, consequentemente, sabemos lidar melhor com as situações que vão aparecendo.
  • Embora seja difícil, apenas a um adulto, levar duas crianças tão pequenas a um parque infantil, o que conta como uma desvantagem. Por outro lado, quando a mais velha se torna um pouco mais autónoma, por volta dos 3 anos, fica mais simples a escolha dos parques e divertimentos adequados a ambas, conseguindo desta forma mantê-las juntas, vigiando com maior facilidade.
  • Creche e escolas, quanto menor a diferença de idades menores os quilómetros a percorrer. Sendo que, por exemplo, em Inglaterra muitas das escolas primárias já têm creches incluídas, quando a mais velha entra para a escola com 4/5 anos, a mais pequena de 2/3 anos já consegue ser aceite na maioria das creches/pré-escolas agregadas às escolas primárias deixando-nos a nós com apenas um percurso a percorrer.
  • Retomar a independência. São a maioria as mães que, em especial as que vivem no Reino Unido, deixam o trabalho para cuidar dos filhos a tempo inteiro, pelo menos até aos 3 anos. O custo de um dia inteiro de creche é demasiado elevado e não havendo a alternativa dos avós ou tios para deixar as crianças, não compensa continuar a trabalhar, à exceção das profissões mais qualificadas e onde se ganhe acima da média, a opção é mesmo a maternidade a tempo inteiro. Ao ter as crianças mais ou menos seguidas, sem grandes intervalos, acaba por ser um esforço extra mas que é compensado pelo retomar da carreira mais cedo e de forma mais empenhada pois sabemos que agora, e daqui por diante, o momento é, e será, nosso.
Tenho certeza que existirão muitas mais vantagens assim como sei que há algumas desvantagens ou melhor, situações mais difíceis de contornar até estarmos totalmente adaptadas à nova realidade. Para mim, recuperar a minha "liberdade" de tempo em menos anos, sem intervalos, avanços e recuos, é sem dúvida a melhor vantagem.
E vocês? Que intervalos de idade existem entre os vossos filhos?

Sem comentários:

Enviar um comentário