23.8.16

road trip [ imperfeições alheias ]

 


Estamos a caminho de Portugal, e estamos a viajar de carro. Louca? Eu? Talvez... Mas as vantagens de se viajar de carro em vez de avião compensam e muito. Podemos levar muito mais coisas (o que com uma criança de 5 anos e outra de 18 meses, é certamente uma necessidade), e vemos muito mais do mundo. É também uma óptima oportunidade para ensinar à V um pouco mais sobre países, fronteiras e línguas estrangeiras.

Esta vai ser a primeira longa viagem da M, que gosta muito pouco de andar de carro mas até se tem portado muito bem. A V não é noviça destas andanças, quando ela tinha mais ou menos a idade da M fizemos um mini-tour na Europa, fomos até à Bélgica, Holanda e França. Esta é – se não estou em erro – a terceira viagem a Portugal de carro com ela... Já deveria estar habituada, mas desde que saímos do Eurotunnel em Calais, a cada cinco minutos ela pergunta ‘are we there yet?’... Salvem-me!

Preparar uma viagem deste tamanho requer tempo, perícia, experiência, método, e alguma sanidade mental. Para além de me certificar que não me esqueço de nada, tenho de organizar alojamento e aceitar que vou ter de parar de 2-2 horas, ou mais, para esticar pernas, comer, relaxar, ou dar de mamar à mais nova. Por isso uma viagem que dois adultos podem fazer num dia, demora dois dias e meio para nós. 
 

Levamos iPads carregados de jogos e vídeos (viva a Peppa Pig!), snacks, livros, peluches, legos, play-doh, lápis de côr e de cera, papel (muito papel!), livros de colorir, quadros magnéticos e carimbos. Levamos também uma mala para as estadias de hotel, com duas mudas de roupa para cada uma de nós e os produtos de higiene essenciais (fraldas, shampoo, amaciador, gel de banho) mais os produtos normais de farmácia e primeiros socorros para quem viaja com crianças pequenas.

Paramos sempre para almoçar, ás vezes mais tarde que o normal, os nossos snacks - na sua maioria sumos, frutas, e leites com chocolate, gressinos, pacotes de bolachas – vão dando para ir matando a fome até à próxima estação de serviço.

Nas paragens que fazemos para dormir, normalmente em hoteis à beira da estrada, tentamos manter as rotinas de casa: jantar, lavar os dentes, brincar um pouco e cama. Enquanto a mais nova adormece a mamar, a mais velha precisa de persuasão para se meter na cama sem o iPad e disposta a dormir. A excitação da viagem é maior nela que na pequenina, e por isso tenho de lidar com alguns medos, e inseguranças devido aos ambientes estranhos e novos que enfrentamos todos os dias.

Muitas famílias conhecem bem esta realidade de viajar com os pequenos, e sabem que é preciso uma dose de paciência quase santa, andar sem pressas nem limites de tempo, e ajustar a viagem de acordo com as necessidades deles para que todos os passageiros possam disfrutar desse tempo sem muito stress ou preocupação.

Eu pessoalmente adoro viajar de carro, e incluindo as minhas mais pequenas nos preparativos e nas viagens, sei que estou a passar-lhes esse gosto também. É fantástico poder cruzar três países diferentes, misturar-nos muitas vezes com os nativos de onde passamos, e aprender um bocadinho do nosso mundo, trazendo connosco a alegria de saber que por uns minutos fizemos parte de uma realidade diferente.

por Leonor Silva de Matos

Sem comentários:

Enviar um comentário