1.6.17

adeus maio

Já estamos a meio do ano e ainda o ano parece ter começado. Junho começa sempre cheio de luz e esperança com o dia da criança, e como é bom estar com as minhas quando tenho a cabeça relaxada e o trabalho controlado. Há 8 anos, neste mesmo dia, andava a distribuir corações pelos infantários do Porto, corações que eu mesma fiz, num trabalho que me demorou semanas mas que me encheu o coração.

Oito anos depois, o trabalho é outro mas a dedicação e o coração cheio é exactamente a mesma sensação que me preenche neste momento.
Quando olho para trás, para o quase meio ano que já passou percebo que passou depressa mas que, mesmo nesta pressa, o saldo é bem positivo. Têm sido meses de conquistas e Maio não foi excepção. Quando nos propomos a alcançar um objectivo e estamos totalmente cometidos a ele, sem desculpas, com muito foco, decididamente convencidos, as coisas definitivamente acontecem, não por milagre mas sim porque as fazemos acontecer.
Tenho pena que às vezes as pessoas não entendam que o meu tempo não está livre, não tenho chefe nem tenho de marcar o ponto mas tenho igualmente prazos a cumprir, e tenho-me a mim, a chefe mais exigente que podia ter, aquela que mas vibra com os sucessos mas que mais se penaliza com os insucessos. O meu tempo não está livre. Gostava, por exemplo, de meter férias quando as minhas filhas não têm escola mas o tempo não pára e se puder reduzir o trabalho para o essencial nessa altura já fico feliz. Elas entendem que a mãe tem de trabalhar, e quando está a trabalhar, e mesmo sendo, às vezes, chamada a intervir, a compreensão delas sobre o meu tempo de trabalho e o tempo para elas é maior do que o de muitas pessoas que acham realmente que eu não tenho horários e compromissos a cumprir. Felizmente faço o que gosto e isso faz com que os dias pareçam mais leves, menos stressantes, porém eu não tenho intervalo para almoço, tenho de lidar com as exigencias dos clientes, tenho de ser a criativa, a artesã, a marketer, a personal assistant de mim mesma, a vendedora, a fotografa, a gestora de redes sociais, a compradora, e a lista continua... essa é a diferença entre o meu dia e o dia de quem tem um chefe e marca o ponto.

O mês de Maio fez-me perder muitos medos, o medo de dizer não a propostas que não me interessam e só me fazem perder tempo, o medo de ir em busca do reconhecimento, o medo de arriscar mesmo que não ganhe nada, o medo de assumir que este é o meu trabalho, entro às 9:30 e saiu às 17:30, pelo meio interrompo para ir buscar as minhas filhas às respectivas escolas (porque não há quem o faça por mim), para comer alguma coisa ou beber um café, marco cabeleireiro depois deste horário, e só falto ao meu trabalho se preciso estar presente em alguma actividade delas, porque ser mãe é a única coisa que está acima daquilo que estou a construir a nível profissional. Se não for assim, com este rigor, nunca será!

Que Junho seja mais um mês a lutar por aquilo que acredito. Porque finalmente descobri e me convenci do que vou querer ser quando for grande e é nessa direcção que sigo todos os dias e todas as noites que preciso tirar horas ao descanso para colocar o trabalho em dia.

Feliz dia da criança! Bom Junho! ♥

2 comentários:

  1. Amei :)
    Bom Junho :)
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  2. Que todos os dias e meses do ano sejam assim, a lutar pelo que desejas alcançar!
    Mas caramba, sou só eu que acho que este 2017 anda a velocidade da luz?!
    haha

    Beijinho
    Porty's Diary | Facebook | Bloglovin | Blogs Portugal

    ResponderEliminar