11.3.17

+ eu [viajar]



Quando eu era pequenina, os meus pais levavam-me a viajar Europa fora. Onde o Fiat 127 chegasse era onde nós nos atrevíamos. Assim foi até eu ter idade de decidir e poder ficar em casa sozinha, vejam só, a estudar para conseguir entrar na Universidade, muito parola era eu, ok... parola é talvez um bocadinho mau demais, ingénua digamos.
Hoje entendo que não há melhor forma de aprender, de conhecer e de abrir a mente, do que sair, sair das quatro paredes onde nos confinamos todos os dias numa rotina parva de vida [às vezes triste]. Hoje, que não tenho um tostão nem coragem para sair com duas crianças pequenas por esta Europa fora disposta a montar tenda e andar muito [muito] a pé, percebo que este tipo de memórias será o melhor presente que poderei deixar às minhas filhas. Hoje sei que é isso que aguça a nossa criatividade, que aumenta o nosso sentido crítico e nos abre os horizontes no sentido contrário à estupidez crónica em que vivem a maioria dos seres humanos e, em grande percentagem, dos portugueses. Isto faz-nos mais humanos, mais reais, mais cultos, mais inteligentes, mais alerta e mais capazes de lidar com as adversidades da vida, não nos curvando a elas.

Estudei, estudei muito, fiz imensos trabalhos, projectos, passei noites sem dormir, agarrada a um estirador, tentando resolver problemas de paredes, de lava-loiças e retretes. Passei 5 anos a olhar para baixo, primeiro para a caneta de tinta-da-china que tinha na mão, tentando não borrar nada num gesto perfeccionista para quem errar não é humana, mais tarde dominando o rato da esquerda para a direita criando linhas e conseguindo apaga-las sem borrar [nem por isso me livrei de arranjar problemas nos tendões da mão direita], mas foi numa viagem a Barcelona que melhor entendi o neogótico e a importância de cada detalhe numa obra, num espaço ou em qualquer área da vida, através de Antonio Gaudí.

Valeu-me, porém, este meu desapego e desenraizar dos pais, da casa onde nasci, da cidade que me viu crescer, talvez também devido às viagens que fiz, aos seus momentos tensos e a saber que, faça o que fizer, há sempre um lugar onde poderei voltar se algo correr muito mal. Parti [talvez] tarde, mas parti. Descobri como é viver em alguns lugares tão diferentes da Lisboa onde nasci. Não foram pequenas viagens de férias, foram grandes viagens de vida. Agora que parei e que a responsabilidade da parentalidade pesa demais para andar com a casa às costas, sinto que vou perdendo esta minha facilidade em ir e vou ficando... mas isto tem de mudar, por elas, por nós, pela nossa sanidade mental e realização pessoal. O mundo está aí para ser explorado e é nele que nos iremos perder, com mais ou menos dinheiro, com mais ou menos momentos tensos, com mais ou menos quilómetros a percorrer, mas sempre com a mesma intensão de ir... ir com os olhos bem abertos e com a sede de conhecer.


2 comentários:

  1. Adorei ler este texto! Confesso que também eu já fui um pouco "parola" e passei algum tempo mais focada nos estudos que na vida para lá das minhas quatro paredes, mas quão bom foi quando percebi o quão fascinante é o mundo que me espera lá fora!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que toda a gente devia ter a possibilidade e a ousadia de viajar ♥ talvez pensassem de outra maneira ;)

      Beijinhos

      Eliminar