28.9.16

Querida L.

São nossos os momentos que conseguimos parar e respirar. Tu gostas de sentar junto a mim, colocar a tua cabeça no meu colo e pedir para te coçar as costas, depois a barriga, depois os braços, depois as mãos e depois, e depois,... Se eu não tivesse sempre uma lista interminável de coisas para fazer, ali ficava contigo, a encher-te de mimos e tu, chatinha linda, a pedir mais e mais.
Tenho tentado ser a pessoa que precisas, aquela que te deixa livre mas que te apanha na queda, aquela que vai ao fim do mundo para te fazer feliz naquilo que acho ser o essencial.
Procurei, procurei, procurei e consegui. Hoje vais ter a tua primeira aula de dança aqui perto de casa. Com os novos horários do pai ficou complicado manter-te na mesma escola de ballet. Os teus passinhos de pés esticados pela casa, as tuas piruetas ainda desajeitadas, as tuas posições delicadas de bailarina esmerada que teimas em fazer mesmo sem te pedirem, sem a motivação de um dia de classe, estavam a deixar-me frustrada por não te encontrar uma solução. Sentia que te estava a cortar as pernas de uma forma bruta, sentia que te estava a matar um sonho, logo eu que quero estar aqui para te fazer sonhar sempre mais alto. Consegui minha querida L. Eu e o teu pai. Hoje começas com street dance, talvez não exatamente o que estarás à espera. Encara como uma oportunidade de conheceres uma nova modalidade de dança, terás a possibilidade de lá continuares ou voltares ao teu ballet, assim que iniciem a classe prevista para as sextas-feiras. Sinto-me feliz por não te ter falhado.



Ainda mais feliz fiquei por ter deixado a tua irmã na creche e ter corrido para o parents open day da tua escola. Não tinha colocado a data na agenda e só quando te fui levar percebi que era hoje. Fiquei sem saber bem o que decidir. Tinha tanto que fazer em casa mas a minha consciência disse-me: ouve o teu coração. E fui... fui para te ouvir dizer, com um enorme sorriso nos lábios de uma cara de espanto "Mãe! O que estás aqui a fazer!" Que abraço tão bom... Que brilho no olhar, que orgulho sentiste e que orgulho eu sinto. 
Foi com ternura e encanto que me conduziste, que quiseste que brincasse a isto e aquilo, que me pediste uma história e que me mostraste que és uma boa menina. No teu caderno as notas da professora eram bonitas, és amável e prestativa. Percebes quem é mais carente de ajuda ou amizade e preenches essa lacuna. És atenciosa e generosa. És a minha doce Pituca e continuarei a fazer sempre tudo o que estiver ao meu alcance para sonhares e seres feliz. Tu e a tua irmã serão sempre a minha prioridade.

com amor,
a tua mãe.

1 comentário:

  1. Um post absolutamente encantador... para derreter corações...
    Vê-se que és uma mãezona!!!! Que tudo continue correndo pelo melhor! Que bom que deste a volta à situação com as aulas de dança...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar