2.9.16

Este post fala de amor [e de gatos]



Não costumo falar deste assunto por aqui, talvez porque já não tenha a presença na minha vida que em tempos teve. Já me dediquei de unhas e dentes à causa dos animais abandonado tentando minimizar este problema que parece não ter fim em Portugal. Esta já foi uma realidade muito minha a de sair de casa a correr para socorrer um cão ferido e levá-lo para o veterinário ou acolher uma ninhada de gatinhos bebés e prepará-los para novos donos.
Porém, desde que vivo em Inglaterra, que percebi que o problema dos animais errantes não é difícil de resolver, quando for finalmente encarado como um problema e quando passar, de facto, a ser importante e prioritário aos Homens que controlam o poder.

No outro dia vi um filme, The girl in The Cafe, ele mostrava o quanto é importante saber priorizar e que a solução está mesmo nas nossas mãos só precisamos focar-nos no problema em causa e não camufla-lo com outros que tentamos enganosamente passar para primeiro plano, como se realmente fossem mais urgentes.
Saber encontrar a fonte do problema também é um passo para o resolver e o que se passa na situação dos animais errantes é que acham que a fonte do problema são os animais mas não, a fonte do problema somos mesmo nós, os "humanos".

O certo é que passei muitas horas dos meus dias, muitos dias dos meus meses, a tentar consertar o que outros, por crueldade, estupidez e covardia, abandonavam, mal tratavam, ignoravam, humilhavam e desdenhavam. Tirei alguns animais da rua, evitei que mais nascessem em condições desumanas, dei novo alento a animais à beira da morta, outros houve que a melhor salvação foi conhecerem o fim à sua dor. Fi-lo por eles mas também o fiz por mim, por vergonha desta raça à qual pertenço, como que a pedir-lhes perdão pelo mal causado pelos meus semelhantes.


Hoje olho para os dois gatos que adotei e que trouxe comigo para Inglaterra. Vejo-os calmamente a dormir no sofá que lhes reservei. Lembro-me do primeiro dia que entraram na minha vida, dos sustos que já apanhei com eles, com medo de que algo de mal lhes possa acontecer, já lá vão mais de dez anos. Neste tempo todo sinto-lhes, ainda hoje, a gratidão, quando ronronam e roçam nas minhas pernas, quando me olham atentamente à espera de um carinho e até no respirar, calmo e seguro, que têm enquanto dormem, uma gratidão que nenhum humano, dos tantos que já ajudei, alguma vez me demonstrou. Nunca me arrependi de nenhum animal que ajudei, também nunca me arrependi das pessoas às quais estendi a mão, mas se me perguntares se voltaria a fazê-lo, não pestanejaria em voltar a ajudar nenhum dos animais que ajudei... em relação às pessoas... infelizmente não posso dizer o mesmo.

Isto tudo para dizer que, se tiverem oportunidade de ajudar um animal, de estender a mão a uma associação de ajuda a animais, se vos for possível adotar um gato ou um cão, não hesitem. Eu sei que os gatos nem sempre têm a melhor fama mas, acreditem, são seres excecionais.



Neste sábado (dia 3), pelas 15 horas, vai decorrer na Aqui há gato o lançamento do livro Histórias com Gato Dentro. Um livro de histórias contadas pelo Clube de gatos do sapo que tem como objetivo principal ajudar aos animais abandonados ou em situações precárias. Parte do valor angariado com as vendas reverterá para as seguintes associações:

Rafeiros SOS
Projecto Amor Animal
Associação dos Amigos dos Animais Abandonados da Moita
MafrAnimal
Associação O Cantinho dos Gatos

Abracem esta causa e sejam solidários, acreditem em mim, ELES MERECEM!


---

Morada Aqui há gato
Calçada da Estrela,
Nº 74 A, 1200-665 Lisboa

8 comentários:

  1. Embora não tenha um espaço adequado para ter animais em casa... adoro gatos!...
    Não há nada mais relaxante do que apreciar as suas poses... e o seu carinho, quando nos adoptam... :-D pois eles sempre têm a palavra final...
    Cresci com o gato dos meus avós por perto... que parece que me vigiava o tempo todo... e só tenho pena de não me lembrar dele... mas talvez venha daí a minha infinita simpatia por estes bichinhos!
    Adorei o post... e a tua presença, por lá no meu canto...
    Sempre que der... passarei por aqui... nas próximas semanas, ainda estarei por aqui, num local com uma Net problemática...
    Tudo de bom! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os animais sabem conquistar-nos... o gatinho dos teus avós conquistou-te mesmo não te lembrando muito dele ficou no teu subconsciente 😉
      beijinhos

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  2. Adoro animais, e sim por vezes tenho vergonha dos seres humanos que são crueis com os animais. Eu tenho um gato e uma cadela, são os meus amores :)

    ResponderEliminar
  3. Também já tive uma cadelinha que adotei pouco antes do gato tigrado. Mas ela ficou em Portugal com o meu ex-companheiro. Também gosto imenso de cães mas não tenho vida para lhes dar a atenção que precisam ;)
    beijinhos

    ResponderEliminar