30.4.15

Querida L.


O dia há-de chegar em que escolherás o teu primeiro amor, não estou a falar do teu pai que vai ficar verde de ciúme nem de mim que sei que me guardarás sempre no cantinho mais especial do teu lindo coração, falo do que segredarás primeiro à tua irmã e talvez, se eu for sortuda o suficiente, talvez a mim depois. Por agora vais mantendo a tua postura simpática, o teu sorriso matreiro e a tua aptidão para arrastares contigo o coração dos meninos mais traquinas da tua classe.
Um dia vou te contar do A. que te chama na rua mesmo do outro lado do passeio. Terão ambos provávelmente a mesma ideia, tu sorris envergonhada e ele grita alto o teu nome e acena-te com a pequena mão aberta, cheio de agitação e entusiasmo. Vou contar-te do M. que corre atrás de ti para te alcançar e fazer palhaçadas das quais ris cheia de encanto. Ou quando ele te espera e faz a mãe dele parar no caminho até que chegues mais perto do seu olhar. E quando ele te fala coisas (em polaco) que não entendes mas das quais ris cheia de certezas.
Tens 3 anos minha pequena conquistadora, arrastas os corações dos mais novos, encantas os mais crescidos, tudo com o teu jeito inocentemente independente de ser, de fazer e de crescer.
Minha pequena Laura, um dia serás maior que eu e sei que vamos chocar uma vez por dia, tens um feitio forte e já tão determinado, não me parece que vá mudar mas sim refinar-se e definir-se como a tua maior qualidade ou o teu maior defeito, o futuro o dirá.
Mas aconteça o que acontecer serás sempre a minha pequena Laura, a minha pituca maluqueta cheia de energia que onde vai arranca um sorriso, faz um amigo e diverte-se como se não houvesse amanhã.
Tens uma alegria em ti que me inspira, uma determinação que me deixa a pensar e uma independência que me enche de orgulho e de medo de te ver fugir cedo demais.
Fica a saber que, quando um dia o teu coração bater descompassado, quero ser o teu primeiro ouvido e ombro. Quero abraçar-te e garantir-te que tudo vai ficar bem. Quero contar-te a minha história de amor, que continuará em ti e na tua irmã e depois nos meus netos se essa for a vossa vontade. Quero ser a primeira a secar-te as lágrimas nos desamores e a ajudar-te a escrever a primeira mensagem apaixonada. Quero estar aqui para ti porque mais do que tua mãe eu própria já estive desse lado. Do lado da vergonha (parva) de se gostar de alguém, do lado do medo da rejeição, do lado da excitação do primeiro beijo. Podes desabafar com a tua irmã, o teu grupo de amigas, o mundo inteiro, mas serei sempre eu a única que melhor te compreenderá porque já te tive dentro de mim, porque fui a primeira a ouvir o teu coração bater ao ritmo acelerado do galopar de um cavalo. 
Não tenho lista para o dia das mães porque já te tenho a ti, o meu mais terno amor.

Sem comentários:

Enviar um comentário